" A Bela do Cemitério... "


Como sempre estava eu em uns dos barzinhos que costumara freqüentar, ali bebia, beliscava alguns petiscos e conhecia vários amigos. De repente olhei para o lado da porta do bar quando entrara uma garota tão linda que meu coração saltou de tanta emoção, era perfeita, fiquei tão empolgado na hora, mas de repente pensei, é muita areia pro meu caminhão, e continuei a conversar com meus amigos. Para minha surpresa o garçom me serviu mais uma cerveja e deixou um bilhete, dizendo que uma garota tinha me mandado, e perguntei rapidamente quem era, ele apenas olhou para o balcão e deu um sorriso. Fiquei estático por algum momento, mas um amigo me empurrou e disse, você não vai conhecê-la? Ou quer que eu vá? Levantei-me e fui até a garota.

Perguntei seu nome e ela me disse com uma voz sensual -Sheila... Dei um sorriso e falei, Sheila você é a garota mais linda que já conheci, e ficamos conversando um bom tempo. Quando chegou exatamente as 23:45h, ou seja, faltando 15 para meia noite, ela se levantou correndo e disse que tinha que ir embora, pois mal dava tempo de pagar a conta, eu falei espere eu pago e te levo pra casa, e quando acabei de pagar a conto e me virei para pegar em seu braço para acompanhá-la ela havia saído rapidamente, saí correndo pra fora do bar e não a vi mais.

Passaram vários dias, e me arrumava sempre e ia pro bar, na esperança de encontrá-la. Numa sexta-feira como sempre saí e fui para o bar, já não estava nem pensando mais na garota dos sonhos, quando. Olho para a porta e eis que entra aquela, a mais linda e perfumada garota, que todos os homens paravam para admirá-la e veio direto para minha mesa, meus amigos ficaram estarrecidos, saíram todos de perto e nos deixaram sozinhos. Nesta noite ficamos mais à vontade, nos acariciamos, nos beijamos, fizemos juras de amor e até queria pedir sua mão em casamento, tamanha minha paixão. Notei que a partir da 22:00h, ela ficava olhando para o relógio e quando deu 23:30 ela se levantou e falou que iria embora, falei novamente que levaria para casa, e que desta vez não iria fugir de mim.

Dei o dinheiro para um de meus amigos pagar a conta e peguei em sua mão e falei, vamos! Ela me perguntou tem certeza? E eu falei claro, não vou deixar você escapar mais de mim. Fomos para o carro quando ela falou que não precisava, pois morava logo ali pertinho, e fomos caminhando, conversando até que passamos em frente o portão do cemitério, ela parou e disse pronto, chegamos, fiquei sem saber o que perguntar e de repente me deu um beijo e falou até mais, entrou pelo portão do cemitério e foi caminhando até se perder na escuridão. Comecei a tremer e gritar por ela, Sheila, Sheila..., Quando um dos guardas do cemitério veio ao meu encontro e disse, você está louco rapaz? Gritando a esta hora na porta do cemitério? E eu disse, minha namorada Sheila, entrou por este portão, por favor, vá atrás dela e chame-a pra mim... O guarda deu uma boa gargalhada e falou, meu rapaz você é mais uma das vítimas de Sheila, toma cuidado, ela tinha o apelido de "Viúva Negra", com sua beleza matava seus namorados e maridos... Não acreditei muito e fui embora, pois todos meus amigos estavam esperando para saber o que aconteceu na minha primeira noite de encontro com aquele monumento.

Fiquei tão conturbado que fui embora pra casa dormir. No outro dia sábado fui ao cemitério e comecei caminhar por entre os túmulos, já estava cansado quando pra minha surpresa me deparei com um túmulo que dizia "Aqui Jaz nossa querida Sheila", e olhei a foto da mulher, fiquei mais estarrecido quando vi a data de nascimento e de morte de Sheila, Nasc.: 14/08/1920 e Falecimento: 18/12/1942 pensei se estamos no ano de 2006, já fazia 62 anos que falecera, desmaiei, só acordei em um hospital sem saber o que acontecera, depois fiquei sabendo que pessoas que visitavam os túmulos me vira caído e chamou a direção do cemitério, onde chamaram uma ambulância. Estava saindo do hospital quando ouvi uma voz que me chamou, "-César", olhei pra trás era Sheila, entrando por uma porta, corri para ver se era ela realmente, quando vi na parede a foto da diretora do Hospital, quem era? Isso mesmo! Era Sheila falecida em 1942.

Saí correndo pra casa, contei a meus pais apenas, e mudamos de cidade, sem dar satisfação nem para meus amigos, achei que estava ficando louco.

* Relato enviada por: César

22/12/2008 17:08:28

These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati