Texto retirado do site inconscientecoletivo.net

O Discovery Channel, em sua série de programas “Prova Infalível” teve um episódio dedicado à Mutilação de Gado. Neste episódio foram mostrados vários casos de mutilações ocorridas nos E.U.A., principalmente no estado do Texas, e foram entrevistados desde fazendeiros, jornalistas à cientistas. Pois bem. Digamos que os dois cientistas convidados do programa (doutores em suas respectivas áreas), uma antropóloga forense e um entomólogo (especialista em insetos), tenham passado o maior constrangimento de suas vidas (”pagaram o maior mico”) em uma rede de tv.

O programa iniciou com o peão responsável pelo gado em uma fazenda explicando como acontece o sumiço e o posterior reaparecimento de uma vaca nos casos de mutilação. Mostraram o pequeno furo no pescoço, por onde todo o sangue é extraído sem se perder uma gota (observação minha: sinceramente não consigo compreender como é que alguém pode achar que isso é feito por outro animal, ou que possa ser algo “normal” ou “natural”, mas enfim). A língua é retirada, assim como as partes “moles” (área das tetas e mucosas). E o restante da vaca é deixada ali. Então… a “hipótese quase certeza” dos dois cientistas é que a vaca tenha ou morrido de causas naturais (claro…) ou que tenha comido algo envenenado, e depois tenha sido devorada por insetos e outros animais. Como era de se esperar, um experimento “quase certo de que provaria a hipótese” foi feito, em que uma vaca morta foi colocada no campo, e filmada por três câmeras, dia e noite, durante uma semana.

O vídeo mostrou os insetos, vermes etc. começarem a se alimentar da vaca, assim como porcos selvagens e aves carniceiras. Como era esperado, eles atacavam primeiro as partes moles. Porém… porém… ao final do experimento, apesar das comemorações (prematuras) dos cientistas, a explicação deles e a suposta “prova infalível” de que essa era a resposta, simplesmente se provou ser, para dizer o mínimo, insuficiente (na verdade a explicação deles só explicava para o público o que os dois preferiam acreditar). A maneira como a vaca ficou depois desse experimento não é nem remotamente parecido com a maneira como as vacas ficam depois da mutilação. A primeira característica da mutilação é a precisão cirúrgica com que órgãos, partes moles e sangue são retirados. Não foi explicado. Segundo, as vacas mutiladas não se decompõem nem incham, nem liberam líquidos ou odores. Não foi explicado ( a vaca do experimento virou um balão e alagou a área ao seu redor com líquidos de sua decomposição). Terceiro, as vacas mutiladas eram jovens, sem doenças e sem terem morrido por envenenamento. O peão as vê no final da tarde, e na manhã seguinte simplesmente estão mortas e mutiladas, ou seja, não levaram uma semana inteira para perder seus órgãos e sangue. Não foi explicado (inclusive os fazendeiros se ofenderam aqui, pois os cientistas subestimaram a sua capacidade de identificar a causa da morte de um animal e a diferença entre um cadáver fresco e um antigo). Quarto e o mais estranho: NENHUM animal, ave carniceira ou inseto se aproxima do cadáver. Tanto é que uma vaca mutilada ficou 5 semanas jogada no campo e sequer iniciou decomposição. Na verdade, se não estivesse toda mutilada, parecia estar dormindo. Não foi explicado.

Quinto fator, convenientemente esquecido pelos cientistas: a maneira como a vaca estava caída no chão, e o impacto do solo sugerem (para não dizer que é óbvio) que o animal tenha sido erguido por alguns metros e depois jogado de volta ao solo. Alguns fazendeiros, que não quiseram se identificar, disseram ver luzes no campo na noite anterior ao aparecimento de animais mutilados, e uns afirmam ter visto vacas serem “erguidas” ou “flutuarem” sobre o solo… Nem preciso dizer que não havia explicação alguma, não é mesmo? Pois bem, os dois cientistas ficaram nervosos, trêmulos e hesitantes. Foram obrigados a concordar com o peão sem estudo que aparentemente destruiu toda a sua pesquisa científica e a sua “prova infalível”. Acho que nem preciso dizer que este documentário é altamente recomendável para todos que se interessam pelo assunto. Quanto ao Mothman, deixo para outro post. E vamos para os outros 10 mistérios inexplicáveis:

10 – O Mothman (”Homem Mariposa”)

“Mothman” é o nome dado a uma estranha criatura relatada nas áreas de Charleston e Point Pleasant, West Virginia, entre Novembro de 1966 e Dezembro de 1967. Antes e depois destas datas há relatos apenas esporádicos de avistamento, com alguns tendo sido recentemente, em 2007.

A maior parte das testemunhas oculares descrevem o Mothman como uma criatura com asas, do tamanho de um homem, com grandes e brilhantes olhos vermelhos. Freqüentemente aparece como não tendo cabeça, com seus olhos situados no peito. Um número de hipóteses já foram apresentadas para explicar os relatos das testemunhas oculares, indo desde o erro na identificação e coincidência ao fenômeno paranormal e teorias de conspirações.

O Mothman foi identificado pela primeira vez em 1926, por um menino. No mesmo período, três homens que estavam cavando uma cova, em um cemitério ali perto, viram uma figura humana marrom com asas, levantando vôo detrás das árvores. Ambos os incidentes foram reportados separadamente um do outro. Já ocorreram um grande número de avistamentos do Mothman apesar de que não existe nenhuma fotografia da criatura.

(observação minha: quem se interessa pela história do Homem Mariposa deve assistir ao filme “A última Profecia” ou como é o título original: “The Mothman Profecies”, com Richard Gere, Debra Messing e Laura Linney)

9 – D.B. Cooper

D. B. Cooper (ou “Dan Cooper”) é o pseudônimo dado ao notório seqüestrador de aviões que, em 24 de Novembro de 1971, depois de receber um pagamento de resgate de U$200.000, saltou da parte traseira de um Boeing 727 enquanto voava sobre o Noroeste do Pacífico, em algum lugar na área sul de Cascades.

Desde então Cooper nunca mais foi visto e não se sabe se sobreviveu ao salto. Em 1980, um menino encontrou U$5.800 em notas encharcadas de U$20,00 nas margens do rio Columbia. Os números seriais combinaram com àqueles do dinheiro de resgate, que foram anotados para ser mais fácil rastrear Cooper depois.

Cooper escapou do avião pulando pela parte de trás da escada aérea com um páraquedas, fazendo com que as autoridades da aviação incluíssem medidas rigorosas à respeito do design dos aviões para prevenir que isso acontecesse novamente. Além disso, este evento fez com que os aeroportos instalassem detectores de metal pela primeira vez.

8 – O Chupacabras


O Chupacabras é mais comumente associado às comunidades latinas nos EUA, México e Porto Rico (onde houve o primeiro relato). Supostamente é uma criatura pesada, do tamanho de um urso pequeno, com uma linha de espinhos do pescoço até a base da cauda, e o seu nome vem do fato de que supostamente ataque animais e beba seu sangue – especialmente de cabras.

Apesar de que a lenda começou perto de 1987, há muitas similaridades com o “Vampiro de Moca”, nome dado a uma criatura desconhecida que matou animais por toda a cidade de Moca, nos anos 1970. O vampiro de Moca deixava os animais completamente sem sangue, que aparentemente tinha sido extraído a partir de uma série de cortes circulares.

A descrição mais comum do Chupacabra é a de um ser tipo lagarto, parecendo ter uma pele de couro ou de escamas verde-acizentadas, e espinhos pontudos ou pequenos, correndo por toda as suas costas. Esta forma mede aproximadamente de 1 a 1.2 metros de altura, e permanece de pé e pula de uma maneira parecida a de um canguru. Em pelo menos um avistamento, a criatura pulou 6 metros. Desta variedade é dito ter um focinho parecido com o de um cachorro ou pantera, uma língua bifurcada protuberante, caninos grandes, e que assobia e chia quando amendrontado, assim como deixa um fedor sulfúrico atrás de si. Quando ele chia, alguns relatos notam que os olhos do chupacabras brilham com um vermelho incomum, que dá náuseas nas testemunhas. Algumas testemunhas o viram com asas como as de morcego.

7 – Pé Grande



Pé grande, também conhecido como Sasquatch (veja o post com o documentário sobre o Pé Grande, clicando aqui) é descrito como um homem meio macaco que habita áreas florestais do pacífico noroeste e partes da província da Columbia Britânica, no Canadá. Ao longo dos anos houveram vários avistamentos e fotografias do Pé Grande mas não há provas conclusivas que comprovam a sua existência.

Muitos especialistas do assunto consideram a lenda do Pé Grande como uma combinação de foclore com boatos, mas há um número de autores e pesquisadores que acreditam que as histórias possam ser verdadeiras. Existe alguma especulação que, como o Monstro do lago Ness, o Pé Grande possa ser um remanescente vivo do tempo dos dinossauros – especificamente um Gigantopithecus blacki – um macaco gigante. Os relatos mais antigos do Pé Grande são de 1924, apesar de relatos de um tipo similar de criatura terem aparecido já nos anos 1860.

6 – O Monstro do Lago Ness

O Lago Ness é o mais extenso lago de água fresca da Grã-Bretanha. Por séculos pessoas têm relatado avistar uma criatura grande vivendo no lago – os avistamentos mais antigos vindo do período de Saint Columba (565 d.C). Apesar de que os avistamentos da criatura em terra, ao redor do lago, supostamente datarem do século dezesseis, o interesse moderno no monstro foi estimulado por um avistamento em 22 de Julho de 1933, quando o sr. George Spicer e sua esposa viram “uma forma animal extraordinária” cruzar a rua em frente ao seu carro. Eles descreveram a criatura como tendo um corpo grande (cerca de 1.2 metros de altura e 7.5 metros de comprimento), e um longo, estreito pescoço, um pouco mais grosso do que uma tromba de elefante e tão longo quanto os 3m – 3.2m da largura da rua; o pescoço tinha um número de ondulações.

Eles não viram os membros por causa de um declive na rua que obscureceu a porção inferior do animal. Ele se moveu pela rua em direção ao lago, à 18 metros de distância, deixando apenas um rastro de pequenos arbustos quebrados em seu caminho.

Não apenas o Monstro do Lago Ness foi repetidamente fotografado, ele também foi filmado – recentemente, em 2007, e também detectado em sonares. Infelizmente, contudo, a filmagem e fotos nunca são claras o suficiente para dar uma resposta definitiva para o que a criatura é. Alguns especulam que é um plesiossauro, que sobreviveu do restante da população de dinossauros.

5 – Jimmy Hoffa

Jimmy Hoffa foi um sindicalista americano e criminoso condenado. Como presidente da Fraternidade Internacional dos Caminhoneiros de meados dos anos 1950 à meados dos anos 1960, Hoffa exerceu uma influência considerável. Depois de sua condenação, ele serviu perto de uma década na prisão. Em 30 de Julho de 1975, Hoffa desapareceu em um estacionamento em Detroit e nunca mais foi visto. Ele tinha sido obrigado a se encontrar com dois líderes mafiosos, Anthony “Tony Jack” Giacalone de Detroit, e Anthony “Tony Pro” Provenzano, de Union City, Nova Jersey e Nova York.

De acordo com Donald Frankos (um assassino profissional da Máfia, condenado), Hoffa foi baleado na casa de Giacalone e o seu corpo foi então enterrado nas fundações do estádio dos Giants. Enquanto esta seja a crença mais popular, outro mafioso, Bill Bonanno, alegou que Hoffa foi baleado e colocado no porta-malas de um carro que então foi colocado em um compactador de carros.

Ninguém jamais saberá a verdade sobre Hoffa, mas a equipe dos “Mythbusters” (”Caçadores de Mitos”) cavaram na área em que geralmente atribui-se que Hoffa tenha sido enterrado e não encontraram nada.

4 – Luzes de Marfa


As luzes de Marfa são luzes inexplicáveis (também chamadas luzes fantamas) que têm aparecido em Mitchell Flat, leste de Marfa, Texas. O primeiro relato publicado das luzes foi feito em 1957, mas Robert Reed Ellison (nascido em 1880) as reportou à sua família e relatos de suas aparições se espalharam de boca em boca. Não há nenhum relato verificável anterior aos anos 1950.

As luzes são descritas como tendo o tamanho de uma bola de basquete, flutuando no ar, na altura dos ombros. As cores são geralmente descritas como sendo branco, amarelo, alaranjado ou vermelho, porém azul e verde também são relatados às vezes. Elas normalmente movem-se lateralmente, mas já foram vistas se movendo rapidamente em várias direções. Os avistamentos são raros, mas há um grande número de evidências fotográficas e filmagens.

Os céticos geralmente consideram as luzes como sendo relacionadas ao tráfego que passa ali perto na US Route 67, ou como sendo um efeito elétrico secundário dos predominantes montes de quatzo da área. Pelo fato de que normalmente aparecem em propriedades privadas, com terrenos em que é difícil de se locomover, existem uma quantidade quase nula de relatos de pessoas que conseguiram se aproximar das luzes.

3 – A Colônia Roanoke


Em 1584, sir Walter Raleigh despachou uma expedição para a costa leste da América do Norte, já que a Rainha Elizabeth I deu a ele permissão de colonizar a Virgínia. Ele retornou da viagem com dois índios americanos, e amostras de animais e plantas. Entre 1585 e 1587, dois grupos de colonizadores foram deixados na ilha de Roanoke (parte da atual Carolina do Norte) para fixar seu assentamento.

Por causa de lutas contínuas com os nativos das tribos locais, a primeira colônia estava com pouca comida e homens para defender o assentamento; então quando sir Francis Drake os visitou depois de uma invasão no Caribe e se ofereceu para levá-los de volta para a Inglaterra, eles aceitaram e foram embora. Em 1587, 121 novos colonizadores chegaram e descobriram os nativos locais (os Croatans) como sendo amistosos. A primeira criança inglesa nascida nas Américas foi a filha de um desses colonizadores. O grupo tentou ser amigável com algumas outras tribos que os colonizadores anteriores haviam brigado, o que resultou no assassinato de George Howe. Os membros restantes do grupo convenceram o líder a retornar à Inglaterra e trazer ajuda. O líder (John White) retornou à Inglaterra deixando para trás noventa homens, dezessete mulheres e onze crianças.

Quando White retornou em Agosto de 1590, o assentamento estava deserto. Não havia sinais de luta nem restos mortais foram jamais encontrados. A única pista era a palavra “Croatoan” entalhada em um pilar do forte e “Cro” entalhado em uma árvore ali perto. O assentamento ficou conhecido como a “Colônia Perdida” e nenhum dos membros foram vistos novamente. Algumas especulações existem nos dias de hoje, que sugerem que os colonizadores foram embora e se misturaram com algumas das tribos ali perto. Isto é apoiado pelo fato de que muitos anos depois algumas das tribos estavam praticando o Cristianismo e entendiam Inglês.

2 – A Estrada de Bimini

Todo mundo já ouviu a história da cidade perdida de Atlântida, mas o que dizer da Estrada de Bimini? Em 1968 uma formação rochosa submersa foi encontrada perto da área norte da ilha de Bimini, nas Bahamas. É considerada por muitos como sendo natural, mas por causa do arranjo singular das pedras, muitos acreditam que seja parte da cidade perdida de Atlântida (citada pela primeira vez por Platão).

Outro elemento curioso deste mistério é uma profecia feita em 1938, por Edgar Cayce: “Uma porção dos templos será ainda descoberta embaixo do limo das eras e água do mar próximo a Bimini… Espere para ser em 68 ou 69 – não muito longe disso.” Em uma expedição mais recente, o arqueólogo amador Dr. Greg Little descobriu outra linha de rochas com a mesma formação, diretamente abaixo da primeira, levando ele a crer que a estrada está na verdade no topo de um muro ou doca.

Uma possível explicação natural é que a “estrada” é um exemplo de pavimentação em mosaico, um fenômeno natural. Concreções de conchas e areia formam rochas sedimentares duras que com o tempo se fraturam em linhas retas e então em ângulos de 90 graus. Elas são um tanto comuns e uma atração turística popular na ilha da Tasmânia.

1 – A Criação do Homem


Este é provavelmente o mais conhecido e mais controverso dos mistérios conhecidos pelo homem até o momento. O mistério básico é de onde nós viemos? Muitas pessoas acreditam que nós fomos criados por algum tipo de Deus, outras acreditam que nós naturalmente nos criamos a partir da evolução, e alguns ainda acreditam que nós fomos trazidos à Terra por aliens. Pelo fato de não haver nenhuma evidência conclusiva para nenhum dos argumentos, este assunto permanece o nosso maior mistério.

O conceito de evolução afirma que a partir de uma série de adaptações e mutações, de geração em geração, uma criatura pode se modificar dramaticamente ao longo do tempo. Existem muitos argumentos contra a evolução, a maioria (no Ocidente) pelos cristãos fundamentalistas. O líder da maior Igreja Cristã, Papa Bento XVI, disse recentemente que a evolução não é contrária aos ensinamentos da Igreja ou à crença em Deus desde que ela não exclua Deus como o estimulador e organizador primário do processo.

O conceito do criacionismo afirma que Deus fez o Universo na forma em que ele existe hoje. Ela tenta explicar os potenciais problemas teológicos causados pelos dinossauros, datação do carbono e registros fósseis em geral. Os criacionistas geralmente acreditam que a terra tenha alguns milhares de anos de idade.



These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati