Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Archives

Caduceu de Mercúrio


É frequentemente confundido com o símbolo da medicina, o bordão de Esculápio ou bastão de Asclépio.

O caduceu ou emblema de Hermes (Mercúrio) é um bastão em torno do qual se entrelaçam duas serpentes e cuja parte superior é adornada com asas. É um antigo símbolo, cuja imagem pode ser vista na taça do rei Gudea de Lagash, 2.600 anos a.C., e sobre as tábuas de pedra denominadas, na Índia, nagakals. Esotericamente, está associado ao equilíbrio moral, ao caminho de iniciação e ao caminho de ascensão da energia kundalini. A serpente da direita é chamada Od, que representa a vida livremente dirigida; a da esquerda Ob, vida fatal e o globo dourado no cimo Aur, que representa a luz equilibrada. Estas duas serpentes opostas figuram forças contrárias que podem se associar mas não se confundir. Em virtude de sua associação com Hermes, o deus grego do comércio, o caduceu representa o comércio e demais atividades regidas pelo deus.

Bastão entrelaçado com duas serpentes, que na parte superior tem duas pequenas asas ou um elmo alado. Sua origem é explicada pela suposta intervenção de Mercúrio diante de duas serpentes que lutavam entre si, as quais se enroscavam em seu bastão. Os romanos utilizaram o caduceu como símbolo do equilíbrio moral e da boa conduta;

o bastão expressa o poder; as duas serpentes, a sabedoria; as asas, a diligência;
o elmo é emblemático de pensamentos elevados.

O caduceu é na atualidade a insígnia do bispo católico ucraniano. Do ponto de vista dos elementos, o caduceu representa sua integração, correspondendo o bastão à terra, as asas, ao ar; as serpentes à água e ao fogo (movimento ondulante da onda é a chama).


Do ponto de vista esotérico, a vara do caduceu corresponde ao eixo do mundo e suas serpentes aludem à força Kundalini que, segundo os ensinos tântricos, permanece adormecida e enroscada sobre si mesma na base da coluna vertebral (símbolo da faculdade evolutiva da energia pura).Segundo Schneider, os dois S formados pelas serpentes correspondem à doença e à convalescença.

A Antigüidade, inclusive a grega, atribuiu poder mágico ao caduceu. Há lendas que se referem à transformação em ouro de tudo o que era tocado pelo caduceu de Mercúrio e seu poder de atrair as almas dos mortos. Mesmo as trevas podiam ser convertidas em luz por virtude desse símbolo da força suprema cedida a seu mensageiro pelo pai dos deuses.

Hermes, na mitologia grega, é considerado um deus desonesto e trapaceiro, astuto e mentiroso, deidade do lucro e protetor dos ladrões. Seu primeiro ato, logo após o seu nascimento, foi roubar parte do gado de seu irmão Apolo, negando a autoria do furto. Foi preciso a intervenção de Zeus, que o obrigou a confessar o roubo. Para se reconciliar com Apolo, Hermes presenteou-o com a lira, que havia inventado, esticando sobre o casco de uma tartaruga, cordas fabricadas com tripas de boi. Inventou a seguir a flauta que também deu de presente a Apolo. Apolo, em retribuição, deu-lhe o caduceu.


Caduceus, em latim, é a tradução do grego kherykeion, bastão dos arautos, que servia de salvo-conduto, conferindo imunidade ao seu portador quando em missão de paz. O primitivo caduceu não tinha asas na extremidade superior, as quais foram acrescentadas posteriormente.
Hermes tinha a capacidade de deslocar-se com a velocidade do pensamento e por isso tornou-se o mensageiro dos deuses do Olimpo e o deus dos viajantes e das estradas. Como o comércio na antigüidade era do tipo ambulante e se fazia especialmente através dos viajantes, Hermes foi consagrado como o deus do comércio. Outra tarefa a ele atribuída foi a de transportar os mortos à sua morada subterrânea (Hades).
Com a conquista da Grécia pelos romanos, estes assimilaram os deuses da mitologia grega, trocando-lhes os nomes: Asclépio passou a chamar-se Esculápio e Hermes, Mercúrio.

Segundo os filólogos, a denominação de Mercúrio dada a Hermes pelos romanos provém de merx, mercadoria, negócio. O metal hydrárgyros dos gregos passou a chamar-se mercúrio por sua mobilidade, que o torna escorregadio e de difícil preensão. O planeta Mercúrio, por sua vez, deve seu nome ao fato de ser o mais veloz do sistema planetário.

O caduceu é, de longa data, o símbolo do comércio e dos viajantes, sendo por isso utilizado em emblemas de associações comerciais, escolas de comércio, escritórios de contabilidade e estações de estradas de ferro.

These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati

Anthropophagus ( Blemmye)


Um canibal, um comedor de homens. Os antropófagos são uma raça estranha de Ogro, pois eles não têm cabeça. Suas características são sombrias

Eles freqüentemente se armam com armas brutais e utilizam ferramentas e artefatos muitas vezes criados a partir de ossos humanos.

Dizem que os antropófagos são freqüentemente encontrados a beber em crânios humanos e que usariam
couro cabeludo humano em torno de sua boca, sendo esse cabelo algum tipo de guardanapo macabro para suas refeições.


A nova e completa enciclopédia  americana (The New Complete Encyclopedia  American) associa  os antropófagos com o Androphagi, também conhecido como Androphagoi.

De acordo com Heródoto "O Androphagoi têm as formas mais selvagens de todos os seres humanos, eles não reconhecem qualquer regra de direito, nem obedecem a qualquer lei imposta pela sociedade. Eles são nômades e usam roupas como a dos Citas (um antigo povo iraniano de pastores nômades equestres), mas têm uma linguagem própria.; possuem seu próprio grupo sendo devoradores de homens ".

Em Otelo, Shakespeare usa a palavra antropófagos para descrever uma criatura conhecida como Blemmye levando-os a serem associados como canibais.







Blemmye

Uma criatura sem cabeça com a boca, nariz e olhos em seu tórax.

Também conhecido como Acephali (sem cabeça), um termo também usado para se referir a grupos de pessoas que não tem um líder.

Referências

Enciclopédia Britânica:. Cambridge, na Inglaterra University Press, 1911.

These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati