Seu nascimento cuja data é desconhecida, aconteceu na vila de Epprath, próxima a cidade de colônia, na Alemanha. Filho de uma destacada família da comunidade rural, Peter ficou viúvo e foi acusado de ter transado com sua filha de 15 anos.

Entre 1564 e 1569, rumores da população fizeram de Stumpp o principal suspeito de uma série de assassinatos ocorridos na cidade de Bedburg. Boatos de que ele devorava animais dos fazendeiros locais e praticava canibalismo reforçaram o interesse da inquisição alemã em condená-lo.

Boatos de que Stumpp se transformava em lobisomem grças ao seu cinturão mágico se consolidaram entre o povo. No julgamento, as testemunhas diziam que o acessório foi um presente do diabo e que sem ele o criminoso voltava á forma humana.

Foi julgado por matar e torturar 14 crianças e duas mulheres grávidas e seus fetos. O esquartejamento de corpos encontrados nas florestas de Bedburg entrou na lista de atrocidades de Stumpp, que também foi acusado de se alimentar do sangue das vítimas. Depois de sua captura, o assassino relatou se envolver com magia negra desde os 12 anos. Durante a confissão, admitiu ter contato frequente com um súcubo (Demônio de aparência feminina que suga a energia vital de humanos com quem mantém relações sexuais.)





Os detalhes sobre os crimes foram extraídos durante sessões de tortura. Peter foi amarrado a uma roda onde pedaços de sua carne eram arrancados com pinças aquecidas e seus ossos eram quebrados. Para finalizar, foi decapitado e teve a cabeça jogada em uma fogueira.


A Banda norte-americana de metal macabre escreveu uma música em homenagem ao "lobisomem" intitulada de "The Werewolf of Bedburg". No livro O Exorcista de William Blatty ( que não tem nada a ver com o filme de 1973), há uma passagem que faz referência aos crimes de Stumpp.


Fontes 

A fonte mais completa sobre o caso é um panfleto de 16 páginas publicado em Londres em 1590, a tradução de uma impressão alemã onde nenhuma cópia sobreviveu. O panfleto Inglês, das quais duas cópias existem (uma no Museu Britânico e outra na Biblioteca Lambeth), foram redescobertos por ocultistas Montague Summers, em 1920. Ele descreve a vida de Stumpp e alegados de seus crimes e seu julgamento, e inclui muitas declarações de vizinhos e testemunhas sobre seus crimes. Reimpressões do panfleto inteiro, incluindo uma xilogravura, nas páginas 253 a 259 de sua obra "O homem-lobo". Informações adicionais são fornecidas pelos diários de Hermann von Weinsberg, um vereador de Colônia, e por número de um periódico ilustrado, que foram impressas no sul da Alemanha e provavelmente foram baseadas na versão alemã do panfleto em Londres. Os documentos originais parecem ter sido perdidos durante as guerras que varreram a Renânia nos séculos que se seguiram.

These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati