O peryton é um ser com cabeça e patas de cervo e corpo, penas e asas de ave, mas que à luz do sol projeta uma sombra humana.

Segundo Jorge Luís Borges, o peryton foi citado por um rabino de Fez, Marrocos (que supõe ser Jakob ben Chaim), em um manuscrito do século XVI, que foi destruído no bombardeio de Dresden, durante a II Guerra Mundial. O manuscrito, por sua vez, dizia referir-se à obra perdida de um comentarista grego, que por sua vez citava textos de oráculos que fizeram parte da Biblioteca de Alexandria antes desta ser destruída. Entre os fragmentos citados, diz-se que:

  • A Sibila da Eritréia previu que a destruição final da cidade de Roma seria causada pelos perytons.
  • Os perytons viveram originalmente em Atlântida.
  • Alguns acreditam que eles sejam os espíritos de viajantes que morreram longe dos cuidados de seus deuses.
  • Foram vistos comendo terra seca.
  • Voam em bandos e foram vistos a grande altitude sobre as Colunas de Hércules (Estreito de Gibraltar).
  • São inimigos mortais da espécie humana. Quando conseguem matar um homem, sua sombra passa a corresponder a seu próprio corpo e recuperam o favor de seus deuses.
  • Armas humanas não os afetam, mas o animal -se é que é um animal - não pode matar mais que um só homem.
  • Espojam-se no sangue e nos cadáveres de suas vítimas e então voam para os céus com suas asas poderosas.
  • Os soldados romanos que acompanharam Cipião na conquista de Cartago quase fracassaram, pois durante sua passagem, uma formação de perytons desceu sobre os navios, matando e mutilando a muitos.
  • Em Ravena, onde foram vistos pela última vez, sua plumagem foi descrita como azul-claro, mas isso surpreendeu o autor, pois as outras fontes falavam de penas verdes-escuras.

These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati